• SEJA_ASSUFSM-1.png
  • 10349021 10152490505923833 3661379218707423648 n
  • Icone Facebook
  • YouTube Icone
  • touch-icon-192x192.png
Novembro 2018
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 1
Sab Nov 24 @12:00PM -
Abertura da Temporada de Verão da Assufsm
Dom Nov 25 @12:00PM -
Feijoada na Assufsm
Ter Nov 27 @ 2:00PM -
Roda de Conversa "Mulheres Negras na Política"
Qua Nov 28 @ 4:00PM -
Debate "Reflexo do Racismo Institucional na Universidade

Calendário completo final 248

ATIVIDADES MÊS N 03

Cartaz Campanha 248

 

verão assufsm

espaço saindical

voz da categoria 248 final

O Brasil da arte e do adorno

As criações através da arte e do artesanato foram utilizadas desde eras passadas, sendo realizadas com os mais diferentes e inusitados tipos de materiais. Hoje não é diferente e cada vez mais essas técnicas são aperfeiçoadas, até pela abundância de materiais que são produzidos e assim praticamente tudo que possuímos e nos rodeia, não basta apenas ser útil, também necessita servir como um enfeite.

A arte do adorno sempre dependeu muito de cada povo, bem como suas tradições, crenças, etc... Onde os mais inusitados adornos eram e ainda são usados e reverenciados. Dessa maneira, o adorno tornou-se muito significativo e importante em nossas vidas.

Nesse Brasil imenso a arte do artesanato e do adorno é muito bem representada, seja com produtos típicos de cada região, bem como utilizando os produtos e materiais recicláveis. O Brasil com sua imensidão continental, também possui suas peculiaridades e hoje podemos afirmar que o adorno mais utilizado no país é a coleira. Na questão do uso da coleira, alguns especialistas acreditam que no mínimo 98% da população brasileira, usam-na regularmente. É claro que a grande maioria nem imaginam que estão usando... Muitos até juram que não a usam, mas vamos aos fatos: 

Apoiar candidato corrupto e mentiroso; apoiar leis que retirem direitos dos trabalhadores; saber que o país esta sendo saqueado e deixar apenas para os outros reclamarem; acreditar nos políticos pegos com a “boca na botija”, somente porque os mesmos neguem ‘veementemente’ o ilícito; pagar juros abusivos de cartão de crédito; o que dizer então, dos milhares de ditos intelectuais e formadores de profissionais, que visando adquirir alguns privilégios, que lhes são ofertados e que a grande maioria nem sonha existir, nem questionem ao terem de usar uma coleira ofertada, em troca dessa falsa estabilidade?; crer que a urna eletrônica seja inviolável (por que será que nos EUA os ‘trouxas’ ainda contam cédula x cédula? Que país ‘atrasadinho’ né?); etc...

Bem, essa é a nossa realidade e isso esta na moda, e a internet e o nosso dia-a-dia está repleto de ‘selfies’, representando as situações acima. Falando em vida virtual, o que dizer então dessa nova situação que são os tais “caçadores de Pokemón Go”, onde inclusive muitos acidentes fatais já aconteceram aqui no Brasil, em virtude desse jogo?

Outro adorno que aumenta o seu uso de forma exponencial, embora muitos não fazem questão de mostrar, até pelo local de uso, é a tornozeleira. Esse adorno ao que parece veio para ficar, inclusive o governo aposta com muito entusiasmo, que logo, logo, qualquer indivíduo que preencher as qualidades requeridas poderá adquirir a sua e gratuitamente!

Sobre isso um amigo policial me falou que no Brasil está sendo montada uma operação de grandes proporções, que irá abranger centenas de policiais para realizar caça às ‘tornozeleiras’ e, é lógico, quem estiver utilizando-as. Então imagina a sua aflição sabendo que esse serviço será de grande perigo, pois essas ‘tornozeleiras’ quase sempre andam armadas. Ele até me disse que ficou com ciúmes do tal de jogo de caça aos Pokémon Go, pois qualquer um pode prender alguns desses ditos cujos, mas e os ‘tornozeleiras’?

Refletindo sobre esse desabafo, me veio uma ideia salvadora para essa situação e falei para ele que dias atrás vi alguns vídeos com debates ligados aos direitos humanos, onde estes apresentavam várias situações de abordagem, que deveriam ser realizadas, para casos de confronto com marginais. Citei uma delas que achei muito interessante, porque uma defensora dos direitos humanos explicava para um policial militar, que os mesmos só poderiam reagir, após eles serem alvejados, e até repeti pausadamente para ele: após vocês serem AL-VE-JA-DOS!

Vendo o “entusiasmo” dele após o aprendizado dessa técnica, então sugeri que ele colocasse aos seus superiores militares, que fosse repassado a caça às ‘tornozeleiras’ e demais confrontos, para os representantes dos direitos humanos, pois ao que parece eles possuem profundo conhecimento, afinidade e facilidade, para resolverem esse tipo de situação. Disse também que assim sobraria mais tempo e mais recursos para todos os policiais civis e militares continuarem a colocar as tornozeleiras a quem preencher os devidos requisitos, mesmo àqueles que não às desejarem.

Falando nisso, embora o desconforto, mais emocional do que físico, acredito que os contraventores aplaudem essa ideia e até comprariam a sua tornozeleira personificada. De certa forma isso já acontece e elas enfeitam hoje em dia, até mansões e palacetes por esse Brasil afora.

Infelizmente assim como a saúde, educação e outros, a Segurança Pública é apenas outro ‘item’, que demonstra a incompetência e até o escárnio, que os governantes possuem para com os cidadãos de bem, que geram as riquezas desse país.

Acredito que enquanto estivermos usando a coleira da desunião, a coleira da desinformação... e ainda, a pior delas, que é a coleira da IGNORÂNCIA, continuaremos a assistir essa desordem nacional, realizadas pelos criminosos de plantão!

Enfim, será que podemos afirmar que o Brasil é a terra da coleira e da tornozeleira eletrônica ou conseguiremos reverter e fazer disso apenas mais um futuro jogo virtual?

José Luiz Guerra - Técnico Administrativo em Educação – UFSM.



A seção A voz da categoria foi criada para proporcionar um espaço no qual a base da Assufsm possa manifestar suas opiniões, através de artigos dissertativo-argumentativos, sobre as questões sindicais que permeiam o espaço acadêmico e o mundo do trabalho.

Os artigos devem ser enviados para o email comunicaassufsm@gmail.com em formato .doc, com no mínimo 3mil caracteres com espaço (cerca de 1 lauda, fonte arial, tam 12, espaçamento 1.0) e no máximo 6mil carac. com espaço (cerca de 2 laudas, fonte arial, tam 12, espaçamento 1.0). Devem conter título e assinatura do autor, com nome, e um breve perfil (no máximo 3 linhas).

Os artigos serão atualizados semanalmente, de acordo com o recebimento dos textos.

-- A Assufsm ressalta que os artigos não expressam a opinião da entidade, sendo de inteira responsabilidade de seus autores. Textos com conteúdos ofensivos ou pejorativos não serão aceites para publicação, uma vez que esse espaço busca proporcionar crescimento e acúmulo de conhecimento através de textos que promovam a reflexão e ampliem o senso crítico da comunidade universitária.

Veja outros artigos da Voz da Categoria clicando aqui.



Associação dos Servidores da Universidade Federal de Santa Maria (ASSUFSM)

CNPJ 88.112.420/0001-00 - Fones (55) 3220-8123 e (55) 3220-8385 - Fax: (55) 3226-2600

Campus Universitário, Prédio da Administração Central, 10º andar, sala 1006

E-mails: secretaria.assufsm@terra.com.br (Secretaria) comunicaassufsm@gmail.com (Assessoria de Comunicação)

SINTEST-RSFASUBRAFASUBRA